A Música e o Auto Conhecimento

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Cada dia mais na sociedade moderna os indivíduos tem mais acesso ao conhecimento, ele pode ser adquirido de diversas formas e através de diversas fontes, mas o modo como esse conhecimento é organizado e aplicado, é utilizado no sentido inverso de sua aquisição, isso porque conhecimento não é sabedoria, e sabedoria tem como premissa ter conhecimento, mas não puro, e sim aliado a auto conhecimento. Isso porque é através desse dado que podemos de forma pontual transformar a nós mesmos e ao mundo. Talvez isso soe muito filosófico e distante do universo musical, mas eis ai um pulo do gato para que você torne-se um profissional de qualidade.

Negligenciar o conhecimento de si mesmo gera profissionais falhos, isso porque é a partir dessa consciência que você pode ter noção de sues defeitos, qualidades, predisposições e gostos que fazem total diferença no processo de aprendizagem. Colocando de forma mais clara, é a partir daquilo que conheço de mim mesmo que posso fazer do aprendizado uma jornada para o sucesso.

Conheça www.guitarpedia.com.br, o site com mais de 700 aulas, a ferramenta online mais eficaz, para a sua evolução musical.

Pensadores do Conhecimento

Platão já nos dava essa dica quando dizia ‘Conhece a ti Mesmo’ através de seu suas obras sobre Sócrates. Jung em sua teoria de psicologia analítica tem como um dos pontos principais a sombra, o lado ignorado de nossa consciência.  Espinosa e Freud acreditavam que o autoconhecimento é uma conquista que trás saúde e liberdade. Se pensadores de tamanha estirpe demoraram-se nesses aspectos, porque nós estudantes constantes da música não o devemos?

Para conseguir visualizar a aplicação musical dessa introspecção pense na sua evolução musical, quais são os aspectos que mais te atraem nesse percurso e por quê? Essa atração tem haver com um gosto inconsciente ou uma facilidade na assimilação do mesmo? Agora em seu oposto pense nas informações que você conscientemente ignora ou passa de forma superficial, elas tem haver com aspectos de sua personalidade ou com dificuldades técnicas da mesma?

Este não é um processo fácil e nem indolor, se ver diante do espelho falho e com traumas de aprendizagem é algo que demanda paciência e dedicação, mas ao final fará com que não só você consiga transpor esses obstáculos como assimilar conceitos que antes pareciam distantes. A aprendizagem e o conhecimento não estão separados da sua personalidade e vida consciente, ao contrário somos seres que agem constantemente a partir de vivências positivas e negativas ordenadas de acordo com suas respostas.

Liberdade Musical

Por exemplo, ao tomar consciência, e trazer a luz aquele trecho de música difícil, e enfrentar esse momento com clareza, farão com que no futuro músicas assim não o paralise, ou façam com que você desista de um assunto. Ter paciência e compreensão com suas dificuldades, e tentar abordá-las por outros ângulos podem transformar o modo como a música é absorvida por você. Mas todas essas possibilidades surgem quando você permite-se ir além do que os livros dizem e a guitarra permite.

A liberdade que o autoconhecimento gera faz com que nenhum assunto seja difícil o suficiente para que você não o estude, ou que um exercício detalhadamente exaustivo o frustre, porque você será capaz de reconhecer seus limites e se desejar transpô-los. Ela lhe permite escolha, a escolha do que quer e o que não quer, do que ser e não ser, de forma lúcida e pontual. Sem caminhos preconcebidos ou esperados.

Amadurecimento na Aprendizagem

Ao escolher o caminho do próprio conhecimento você escolherá uma missão para vida toda, mas que também lhe renderá frutos de peso em sua educação. Saber uma escala porque você deve saber é diferente de escolher estudá-la porque você compreende a relevância da mesma em sua formação. Esse amadurecimento provém dessa reflexão, da permissão de escolher o que você quer da música para si e sua guitarra.

Ao fim podemos ter a música e a guitarra como mais um meio de conhecimento de nós mesmos, um espelho de constante lembrete que a jornada é trabalhosa, mas gera resultados. Afinal porque não ser um individuo pensante que usa da música como meio de ser invés de um instrumentista que reproduz o discurso alheio da jornada musical? A escolha no final é sempre sua, o que você quer da música?

Texto redigido por Bruna Vega Costenaro – Psicóloga CRP 06/106427, a pedido do Guitarpedia.

Para mais informações sobre teoria musical, história de música e conhecimentos em guitarra acesse www.guitarpedia.com.br. Visite também nossa página no facebook para acompanhar as novidades!

 

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinrssyoutube